História da Cidade de Pocinhos

Pocinhos teve sua origem em torno de uma fonte e de um campanário. Seu nome originou-se da existência, em determinada área, de diversos pequenos poços, contendo água potável.

A povoação teve início no século passado, quando o fazendeiro José Aires Pereira edificou a sede de suas fazendas num pequeno morro bem próximo aos referidos poços e construiu entre 1815 e 1817, uma Capela em homenagem a Nossa Senhora da Conceição.

A evolução de Pocinhos tomou impulso maior quando pelo Decreto Diocesano de 8 de dezembro de 1908, foi criada a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, desmembrada de Campina Grande. Daí, o núcleo foi crescendo e tornou-se Distrito de Campina Grande com o nome de Pocinhos, posteriormente, o Decreto Lei Estadual nº 520, modificou o nome para Joffily e tempos depois voltou ao seu antigo nome.
Gentílico: pocinhense

Formação Administrativa
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, figura no município de Campina Grande o distrito de Pocinhos.

Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937.
Pelo decreto-lei estadual nº 520, de 31-12-1943, o distrito de Pocinhos passou a denominar-se Joffily.

Em divisão territorial datada de I-VII-1950, o distrito já denominado Joffily, figura no município de Capina Grande.

Elevado à categoria de município com a denominação de Pocinhos, pela lei estadual nº 986, de 10-12-1953, desmembrado de Campina Grande. Sede no atual distrito de Pocinhos ex-Joffily. Constituído de 2 distritos: Pocinhos e Puxinanã, ambos desmembrado de Campina Grande. Instalado em 30-12-1953.

Em divisão territorial datada de I-VII-1955, o município é constituído de 2 distritos: Pocinhos e Puxinanã.

Pela lei estadual nº 1999, de 25-02-1959, é criado o distrito de Nazaré e anexado ao município de Pocinhos.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 3 distritos: Pocinhos, Nazaré e Puxinanã.

Pela lei estadual nº 2611, de 11-12-1961, desmembra do município de Pocinhos o distrito de Puxinanã. Elevado à categoria de município.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído de 2 distritos: Pocinhos e Nazaré.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Alterações toponímicas distritais
Pocinhos para Joffily alterado, pelo decreto-lei estadual nº 520, de 31-121943. Joffily para novamente Pocinhos alterado, pela lei estadual nº 986, 10-12-1953.

Os Primitivos Habitantes


Primitivamente a região, hoje coberta pelo município de Pocinhos, foi habitada pelos índios Tarairiús. Fala-se que eram bravos, guerreiros destemidos e valentes, tendo lutado violentamente para não permitir que os portugueses se apossassem de suas terras. Os Tarairiús eram mais altos e corpulentos que os Cariris, possuíam muita força física, tinham a pele queimada, em tons de marrom, seus cabelos eram pretos, espessos e ásperos. Eram desprovidos de pêlos por todo corpo. Andavam praticamente nus, cobriam as partes íntimas com peças feitas de materiais rudimentares, extraídos da natureza.
 

Primeiro Proprietário das terras





Em 1694, o Capitão Teodósio de Oliveira Ledo foi encarregado de eliminar os últimos focos de resistência dos índios. Poucos anos depois, ele requereu para si todas as terras entre as sesmarias (como eram chamadas as terras doadas pela Coroa) de Vital de Negreiros, na atual Ingá, até as glebas de sua família em Pombal, formando a fazenda Santa Rosa, cuja sede, Casa Grande de Santa Rosa, daria origem à cidade de Boa Vista. Nessas terras requeridas encontravam-se as que compõem o atual município de Pocinhos. O Capitão Teodósio tornou-se o primeiro proprietário do território do que é hoje o município de Pocinhos, embora nunca chegasse a conhecê-lo.

Esta situação durou até 1724, quando o Marquês de Pombal emitiu provisão que limitava as sesmarias a três léguas de largura por uma de comprimento. As sesmarias dos Oliveira Ledo, antes abarcando quase todo o interior paraibano, reduziram-se a uma faixa de terra serpenteante, seguindo os leitos dos rios e riachos mais importantes. Todos os outros milhares de hectares de terra, voltaram às mãos da Coroa, entre elas, as que compõem Pocinhos.

Descoberta dos Poços


Por volta de 1750, muitos proprietários pernambucanos vieram para a Paraíba em busca de terras devolutas. Um destes colonos a vir de Pernambuco foi o tenente Dionísio Gomes Pereira, que adquiriu os sítios Camucá, São Tomé e Gravatá, a quatro léguas de Campina Grande. Além de ter as terras agrícolas citadas, tornou-se proprietário de metade do sítio Campos do Oriá, onde criava gado.

Em 1762, ao levar o gado para pastar além dos limites do sítio Campos do Oriá, os vaqueiros de Dionísio Gomes acham um poço a que chamam “Olho d’água do Bravo”, onde hoje se localiza o açude municipal de Pocinhos, no centro da cidade, ao lado da cadeia municipal. A descoberta deste manancial em paragens tão secas, assinalou Irineu Joffily, foi um achado, pois permitiria a passagem do gado entre o Sertão e o Brejo sem ter de atravessar as terras dos Oliveira, em Santa Rosa (Boa Vista) ou Cabaceiras.


Requisição das Terras
Em 1764, dois anos depois da descoberta dos poços, Dionísio morreu, deixando seus bens à sua esposa, Bárbara Maria da Pobreza, então com 34 anos. Logo depois da morte do marido, ela requisitou concessão da sesmaria do Olho d’Água do Bravo. Diz o documento:

“Bárbara Maria da Pobreza, viúva do tenente Dionísio Gomes Pereira, senhora da metade do sítio Oriá do Sertão do Cariri, onde nas testadas há um olho d’água chamado Brabo, que a suplicante povoou há três anos para melhor beneficiar seus gados, e porque se arreceie de que alguém os peça, vem requerer três léguas de terras, pegando o dito olho d’água e caminhando para o poente, fazendo do comprimento largura e da largura comprimento, como melhor conta lhe fizer, cuja terra se lhe pode dar por se achar devoluta”.

Em 23 de abril de 1765, o Governador da Capitania da Paraíba, Jerônimo José Mello Castro, concedeu as terras de Pocinhos a requerente.


José Ayres - Fundador de Pocinhos

 

Em 1790, José Ayres Pereira, filho de Bárbara Maria da Pobreza e do tenente Dionísio Gomes Pereira, deixou Alagoa Nova e se estabeleceu no Olho d’Água do Bravo, onde construiu a sede de suas fazendas, Casa-grande do Bravo, bem próximo ao manancial, fundando o que viria a ser o núcleo que daria origem a Pocinhos.

Segundo tradição oral, a casa-grande foi erguida no sopé do lajedo, no mesmo lugar onde hoje encontra-se a Casa de Caridade. Segundo historiadores, esta fazenda foi construída à base de pau-a-pique ou taipa, com uso de grandes toras de madeiras selecionadas e revestimento de barro de formigueiro, pela resistência ao contato das chuvas.


Fundação Oficial de Pocinhos




Com o êxito das rotas comerciais que passavam por Olho d’Água do Bravo e com o crescimento da povoação, surgiu a necessidade de o povoado ser reconhecido oficialmente. Para isso, era preciso construir uma capela autorizada.

Em 1815, José Ayres Pereira pede, através do Padre Leonardo José Ribeiro, autorização à diocese de Olinda para edificar a capela em sua propriedade, que deixa de se chamar Olho d’Água do Bravo e passa a ser “ Pocinhos”.

A autorização da capela é o primeiro documento a exibir a denominação “Pocinhos” e não Olho d’Água do Bravo ou Olho d’Água de Bárbara Maria, como em escrituras anteriores.

O ano da autorização da capela (1815) é considerado, arbitrariamente, a data de fundação da cidade, embora, como se viu, o lugar fosse conhecido havia meio século e habitado há três décadas. A capela foi construída no mesmo lugar onde hoje se encontra a atual matriz. Tanto “Olho d’água do Bravo” quanto “Pocinhos”, foram nomes dados a esta localidade, devido à existência de alguns poços, onde hoje se localiza o açude municipal, ao lado da cadeia pública.

O motivo mais provável para a troca do nome do povoado, é que “Pocinhos”, e não “Olho d’água do Bravo”, fosse o nome popular da localidade, e o padre Leonardo estivesse apenas dando curso à voz popular.


De Distrito à Vila
1874 - Pocinhos foi elevada a Distrito através do decreto Lei Provincial nº 569 de 30/09/1874.
1890 - Pocinhos começou a ter sua feira.
1893 - Foi instalada a primeira Agência Postal.
1908 - Criou-se a Paróquia de Pocinhos, desmembrada de Campina Grande (07 de agosto)
1914 a 1918 - A população dobrou em apenas 4 anos.
1920 - Iniciou-se a abertura da estrada que liga Pocinhos ao quilômetro 21 da rodovia entre Campina e Soledade.
1926 - Foi inaugurada a rede elétrica, alimentada por um gerador a diesel, inovação satisfatória para a época, quando ainda não havia hidroelétricas no Nordeste.
1938 - Pocinhos é elevada à categoria de Vila, através do decreto Lei Federal nº 311 de 02/03/1938.

 

Emancipação Política

 


No ano de 1953, Pocinhos era um dos nove distritos do município de Campina Grande. Padre Galvão, o então vigário do distrito, conversa com o deputado Pedro Gondim sobre a possibilidade de emancipação. Concordando com o padre, o referido deputado vai à Assembleia Legislativa em João Pessoa, e lança a proposta à casa.

A intenção inicial era que o novo município tivesse Puxinanã e Boa Vista como seus dois distritos. Mas houve muita resistência, tanto por parte de Campina grande (por meio de seu prefeito Plínio Lemos), quanto por parte de Boa Vista. Depois de muitas conversas resolveu-se ceder apenas o distrito de Puxinanã.

No dia 10 de dezembro de 1953 foi aprovada a lei de emancipação de Pocinhos. No mesmo dia o governador João Fernandes de Lima a sancionou.

Como as eleições já haviam passado surgiu à necessidade do citado governador escolher um interventor para o recém-criado município. Diante disso, fez-se uma reunião na casa do Padre Galvão, onde estavam presentes alguns dos mais respeitados cidadãos da região, e se escolheu o nome de José Pereira do Nascimento, mais conhecido como José Alves. No dia 21 de dezembro de 1953, ocorreu a posse no Palácio da Redenção.

Revolução Praieira
1849 - O primeiro episódio de maior importância ocorrido em Pocinhos deu-se em 1849, quando as tropas da Revolução Praieira, derrotadas no combate do Brejo de Areia, passaram a serra da Borborema e foram acampar em Pocinhos.

Ao chegar ao povoado, neste tempo com cerca de 200 habitantes, os comandantes da revolução Borges da Fonseca, Câmara Santos Leal e outros se reúnem pela última vez ao nascer do dia para licenciar as tropas. Depois os revolucionários se separam e, com ajuda da população pocinhense, disfarçam-se de vaqueiros, partindo para o interior em grupos a procurar fugir de seus perseguidores.

ARAÚJO, Eduardo. Pocinhos Aspectos e Encantos, Pocinhos, Paraíba, 2008, p. 26.

 


Revolução Praieira: o levante que se pôs contra o governo de Dom Pedro II.

 

No começo do Segundo Reinado, a ascensão dos liberais que apoiaram a chegada de Dom Pedro II ao poder foi logo interceptada após os escândalos políticos da época. As “eleições do cacete” tomaram os noticiários da época com a denúncia das fraudes e agressões físicas que garantiriam a vitória da ala liberal. Em resposta, alguns levantes liberais em Minas e São Paulo foram preparados em repúdio às ações políticas centralizadoras do imperador.

Nesses dois estados os levantes não tiveram bastante expressão, sendo logo contidos pelas forças militares nacionais. Entretanto, o estado de Pernambuco foi palco de uma ação liberal de maior impacto que tomou feições de caráter revolucionário. Ao longo da década de 1840, setores mais radicais do partido liberal recifense manifestaram seus idéias através do jornal Diário Novo, localizado na Rua da Praia. Em pouco tempo, esses agitadores políticos ficaram conhecidos como “praieiros”.

Entre as principais medidas defendidas por esses liberais estavam a liberdade de imprensa, a extinção do poder moderador, o fim do monopólio comercial dos portugueses, mudanças sócio-econômicas e a instituição do voto universal. Mesmo não tendo caráter essencialmente socialista, esse grupo político era claramente influenciado por socialistas utópicos do século XIX, como Pierre–Joseph Proudhon, Robert Owen e Charles Fourier.

Em 1847, o movimento passou a ganhar força com a nomeação de um presidente de província conservador mineiro para conter a ação dos liberais pernambucanos. Revoltados com essa ação autoritária do poder imperial, os praieiros pegaram em armas e tomaram conta da cidade de Olinda. A essa altura, um conflito civil contando com o apoio de grandes proprietários, profissionais liberais, artesãos e populares tomou conta do estado.

Em fevereiro de 1849, os rebelados tomaram a cidade de Recife e entraram em novo confronto com as forças imperiais. Nesse período, o insurgente Pedro Ivo surgiu como um dos maiores líderes dos populares. Entretanto, a falta de apoio de outras províncias acabou desarticulando o movimento pernambucano. No ano de 1851, o governo imperial deu fim aos levantes que contabilizaram cerca de oitocentas baixas.

Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola

Fundação de Pocinhos - Resumo I
(Texto extraído do IBGE.)
Pocinhos Paraíba - PB


Fundação de Pocinhos - Resumo II
(Textos extraídos do Livro Agenda "Pocinhos Aspectos e Encantos", Elaborado por Eduardo Araújo.)




 

 


.

.

.

.

 
 
   A Prefeitura

 Gabinete do Prefeito
 Gabinete da Vice-Prefeita
 Secretaria de Administração
 Secretaria de Agricultura
 Sec. de Assistência Social
 Secretaria de Cultura
 Secretaria de Educação
 Secretaria de Extraordinária
 Secretaria de Finanças
 Secretaria de Indústria e Comércio
 Secretaria de Infraestrutura
 Secretaria de Saúde
 Procuradoria Geral do Município
 Assessoria de Comunicação
 
 A Cidade

 História da Cidade
 Telefones Úteis
 Pontos Turísticos
 Transparência

 Portal da Transparência
 Licitações
 Diário Oficial